Tipos de Engenharia: conheça os 14 principais para não errar na escolha

21 minutos para ler

Se você gosta das Ciências Exatas, busca segurança em relação à colocação no mercado de trabalho e se identifica com um perfil mais inventivo, já deve ter pensado em fazer Engenharia. Além de ser uma das carreiras mais cobiçadas pelos estudantes, ela é muito versátil.

Nesse sentido, sabia que existem muitos tipos de Engenharia? Sim, são mais de 30! Civil, Ambiental, Elétrica, Mecânica, Química, de Petróleo, de Telecomunicações: a lista é grande! Mas por que todos esses cursos recebem o mesmo nome? O que, afinal, é Engenharia? Qual é o perfil de um futuro engenheiro de destaque? E como escolher uma boa faculdade nessas áreas?

Para ajudar você com essas questões, preparamos este conteúdo completo sobre o assunto. Leia e surpreenda-se com as muitas possibilidades desse universo da Engenharia!

Guia de carreiras: Engenharias.Powered by Rock Convert

Afinal, vale a pena cursar Engenharia?

Para começo de conversa, você sabe o que é Engenharia, de fato? A origem da palavra é latina: vem do termo ingenium, que significa invenção ou inteligência (gênio).

Talvez você já tenha ouvido alguma pessoa mais velha falando que uma criança é engenhosa quando começa a “criar” objetos a partir de materiais inusitados, não é?

Pois bem, a Engenharia se trata de inventar soluções criativas e práticas que exigem conhecimento e habilidade. Amplo demais? Realmente, mas é justamente por isso que há vários tipos de Engenharia.

Cada curso dessa carreira se encarrega de uma área do conhecimento humano, com um traço em comum: a melhoria na qualidade de vida, não só da nossa sociedade atual, como das próximas gerações. Outros ingredientes típicos são:

  • uso de cálculos matemáticos;
  • resolução de problemas;
  • praticidade;
  • conhecimento científico;
  • busca por inovações.

E como surgiu? Bem, se pararmos para pensar, a Engenharia faz parte da história da humanidade desde sempre: podemos dizer que o camarada que inventou a roda era um engenheiro de mão cheia.

O reconhecimento desse tipo de atribuição como um campo de conhecimento e até mesmo como uma carreira veio já com as primeiras civilizações. Na Antiguidade, Imhotep é considerado o primeiro engenheiro civil por ter idealizado a pirâmide Saqqara.

Com a Revolução Científica de Galileu e, mais tarde, com a Revolução Industrial, o papel dos engenheiros foi consolidado como essencial para o desenvolvimento humano. Desde então, essa se tornou uma das carreiras mais respeitadas e valorizadas no mercado.

O mercado da Engenharia

Falando em mercado de trabalho, os vários tipos de Engenharia são altamente promissores. Justamente pelo caráter prático e útil das soluções desse profissional, a carreira não perde seu reconhecimento e permanece como uma das mais procuradas pelos estudantes do ensino superior.

Com o desenvolvimento de novas tecnologias e o avanço das descobertas digitais, outros campos da Engenharia vão surgindo: de Controle e Automação, de Software, de Telecomunicações etc.

Mas isso não significa que as Engenharias mais tradicionais perdem mercado. Por exemplo, você consegue imaginar um mundo sem engenheiros civis? Não dá!

Mesmo as carreiras mais antigas, como as Engenharias Mecânica, Elétrica e Química permanecem em alta. E as opções de atuação profissional não são poucas! Você pode trabalhar como engenheiro mesmo, ou em outros cargos, como diretoria, consultoria ou supervisão.

Em relação ao ambiente de trabalho, normalmente o engenheiro se volta para a indústria, mas também há campo para pesquisa, empresas de inteligência, gestão de projetos, entre outros.

O profissional da Engenharia

Diante de tantas possibilidades de atuação, versatilidade de mercado e levando em conta todos os tipos de Engenharia, você pode estar se perguntando: há um perfil ideal para o profissional dessa área?

É claro que não há regras. Além disso, uma boa faculdade fornece o preparo suficiente para alguém que quer se tornar um engenheiro de sucesso. No entanto, alguns traços são bem-vindos, como:

  • atração pelas Ciências Exatas, como Matemática e Física;
  • personalidade mais prática;
  • criatividade e senso de empreendedorismo;
  • gosto por inovações;
  • organização e disciplina;
  • habilidades para liderança;
  • comunicação eficiente.

A remuneração do engenheiro

Tudo depende do cargo ocupado, da experiência na profissão, do local de trabalho, entre outras coisas. No entanto, a notícia é boa: profissionais da Engenharia costumam ser muito bem remunerados.

Para que você tenha uma ideia, a Lei nº 4.950-A, de 22 de abril de 1966, determina o piso salarial da categoria de engenheiros, isto é, o salário mínimo obrigatório, em:

  • 6 vezes o salário mínimo comum para uma jornada de 6 horas diárias;
  • 8,5 vezes o salário mínimo comum para jornadas de 8 horas diárias.

Desse modo, tendo em vista o salário mínimo comum vigente em 2020, um engenheiro deve receber, pelo menos, R$ 6.270,00. Nada mal, não é?

Quais são os principais tipos de Engenharia?

Se você está roendo as unhas com a chegada da época de vestibulares, sem saber qual Engenharia vai escolher, vamos ajudá-lo! Confira abaixo uma breve descrição dos 10 cursos mais procurados nessa carreira:

1. Engenharia Ambiental

A Engenharia Ambiental se volta para a busca por soluções que vão ao encontro do desenvolvimento sustentável. O profissional desenvolve técnicas, equipamentos ou processos que ajudam a preservar os recursos naturais, como o ar, o solo e a água.

Em algumas faculdades, esse curso é oferecido como Engenharia Ambiental e Sanitária. Logo, outras atribuições do futuro engenheiro são construir ou avaliar sistemas de esgoto e de captação e distribuição de água.

O currículo é multidisciplinar e aborda temas de Física, Química, Biologia, Hidrologia e Hidráulica, entre outros. O profissional pode atuar tanto na consultoria em projetos do poder público, como nas áreas de licenciamento ambiental e em grandes empresas termelétricas e hidrelétricas.

2. Engenharia Civil

A Engenharia Civil é um dos tipos de Engenharia mais tradicionais e, também, um dos mais disputados no mercado de trabalho. A principal atribuição do profissional é idealizar, projetar e gerenciar obras de construção urbana e de infraestrutura e transporte, como casas, prédios, viadutos, pontes etc.

Com uma formação abrangente, o engenheiro civil tem um currículo recheado de matérias das Ciências Exatas, como Matemática e Física. No entanto, ele também aprende sobre áreas da Administração e da Economia, além de cursar disciplinas mais especializadas conforme o curso avança.

Assim, o aluno pode optar por dar ênfase às áreas de estruturas, transportes, geotecnia, entre outras. Há, ainda, a possibilidade de fazer um curso de Engenharia Aeronáutica, em que o profissional trabalha com a construção de aeroportos e heliportos.

3. Engenharia da Computação

A Engenharia da Computação, por sua vez, é aquela focada nas soluções e construções inovadoras de hardware, como computadores, acessórios periféricos — mouse, cartões de memória e afins — e sistemas de processamento computacional.

Nos dias de hoje, esse profissional tem uma ótima colocação no mercado de trabalho. Afinal, novidades computacionais surgem a todo momento e são muito bem recebidas pela sociedade. As principais possibilidades são atuar com fabricação de hardware e com suporte e assistência.

Para tanto, o aluno tem aulas de:

  • álgebra e cálculo;
  • linguagens de programação;
  • arquiteturas computacionais;
  • robótica;
  • protocolos de rede;
  • elétrica etc.

4. Engenharia de Controle e Automação

Esse é, talvez, um dos tipos de Engenharia mais promissores atualmente. Com o avanço dos estudos de Inteligência Artificial e Machine Learning, a chamada Indústria 4.0 tem como um de seus principais traços o uso de máquinas e equipamentos inteligentes.

Nesse sentido, o engenheiro de controle e automação é um protagonista, já que é ele quem cuida do planejamento, da operação, do controle e da manutenção de sistemas autônomos. As possibilidades de trabalho são vastas, e as tendências são ainda mais favoráveis para o futuro, especialmente em setores como o de petróleo, da manufatura e da metalurgia.

O estudante de Engenharia de Controle e Automação tem uma base inicial forte nas Ciências Exatas, com basicamente os três primeiros anos de formação voltados para disciplinas de Matemática, Física e Química. Depois, o aluno tem contato com disciplinas de:

  • linguagens lógicas de programação;
  • acionamento e comando mecânico;
  • automação industrial;
  • robótica;
  • microprocessadores etc.

5. Engenharia Elétrica

Outro importante profissional para a nossa sociedade é o engenheiro elétrico, que cuida da geração e distribuição de energia elétrica. Assim, ele pode trabalhar com o desenvolvimento de componentes eletroeletrônicos, a operação de aparelhos elétricos ou a projeção e consultoria em usinas.

É o engenheiro elétrico que busca soluções sobre a eficiência energética; constrói sistemas de medição de energia elétrica e atua em projetos de iluminação urbana. Desse modo, o mercado busca esses profissionais tanto para a iniciativa pública quanto para a privada.

Como as possibilidades de atuação são muitas, a formação em Engenharia Elétrica também é bastante ampla. O aluno tem contato com as disciplinas básicas de Engenharia no começo do curso. Depois, aprende sobre sistemas elétricos e de potência, eletromagnetismo, além de ter aulas de Economia e Administração.

6. Engenharia Mecânica

A Engenharia Mecânica é a que foca no desenvolvimento de máquinas, veículos, equipamentos e sistemas mecânicos utilizados pela indústria. O papel do engenheiro passa pela escolha de matérias-primas, pela realização de cálculos e pela supervisão dos projetos.

Entre os principais setores para atuação estão o automobilístico e a aeronáutica, mas o leque de possibilidades é bastante amplo. Como todos os tipos de Engenharia, o curso começa com uma boa dose de disciplinas básicas das Ciências Exatas.

Mais para frente, o estudante tem um contato mais aprofundado com disciplinas de termodinâmica, resistência de materiais, mecânica dos fluidos e outros temas dessa área da Física. Ainda, o engenheiro mecânico precisa ter habilidade com desenho técnico para os projetos de máquinas.

7. Engenharia de Petróleo

Você já ouviu falar que o petróleo é o “ouro negro”, não é? Pois bem, esse importante combustível fóssil é motivo de grandes investimentos por parte das nações contemporâneas. Assim, o engenheiro de petróleo é um profissional cobiçado e valorizado no mercado.

Seu papel é o de combinar conhecimentos matemáticos, físicos e químicos — próprios das Engenharias —, com geologia, mineração e até gestão de negócios. Com essa base, o profissional da Engenharia de Petróleo estará apto a:

  • coordenar a busca por novas jazidas;
  • criar técnicas e equipamentos para a extração;
  • acompanhar os processos das refinarias;
  • gerenciar a comercialização de petróleo;
  • prevenir riscos de operações, como vazamentos e explosões etc.

Essas atribuições são muito bem-vindas em plataformas de petróleo, empresas de importação e exportação do combustível e, também, organizações interessadas em consultoria ambiental.

8. Engenharia de Produção

Por sua vez, a Engenharia de Produção, como o próprio nome indica, é voltada para o desenvolvimento de soluções que elevem a produtividade. Esse objetivo vale para processos que envolvem recursos humanos, financeiros e materiais.

Planilha de gastosPowered by Rock Convert

Desse modo, a empregabilidade nessa profissão é significativa. Até porque empresas dos mais variados setores buscam por profissionais que contribuam com a produtividade e, por consequência, com a rentabilidade dos negócios.

Entre as principais atribuições do engenheiro de produção estão:

  • o desenvolvimento organizacional;
  • a administração de recursos;
  • o controle de processos etc.

Ele ainda pode ser procurado por bancos para montar carteiras de investimentos, por empresas que desejam definir as melhores escalas de trabalho, por fábricas que precisam reduzir desperdícios nas linhas de produção, e por aí vai.

Seja qual for a ênfase dada na formação do engenheiro de produção, normalmente ele terá noções administrativas, de qualidade, de gestão e de economia.

9. Engenharia Química

Já o engenheiro químico é um especialista em processos físico-químicos. Por isso, é o profissional encarregado de desenvolver técnicas e equipamentos, realizar pesquisas e coordenar projetos que envolvem transformações de produtos e compostos químicos.

A Engenharia Química é necessária em setores como: fábricas têxteis, estações de tratamento de rejeitos industriais e órgãos de regulação ambiental. Por esse motivo, o campo de atuação é amplo, e o profissional está apto a desenvolver:

  • novos produtos químicos, como fertilizantes;
  • técnicas de tratamento de resíduos químicos industriais;
  • métodos para o reaproveitamento de matérias-primas;
  • opções de geração de energia renovável advinda de transformações físico-químicas etc.

De modo geral, podemos diferenciar um bacharel em Química de um engenheiro químico pela abordagem mais prática deste segundo, que busca aplicar os conhecimentos da ciência química na rotina industrial — principalmente reações químicas e análises qualitativas.

10. Engenharia de Telecomunicações

Mais um dos principais tipos de Engenharia é o de Telecomunicações. Aqui, o foco do profissional é pensar em inovações para redes de telefonia e transmissão de dados, como a internet, o rádio e a televisão.

Algumas das atribuições são a implantação de cabeamentos, a monitoração de satélites e a codificação de sinais de dados. Assim, a Engenharia de Telecomunicações tem uma oferta de empregos bastante significativa, especialmente em:

  • operadoras de sinais de dados, como empresas de internet, redes de TV e emissoras de rádio;
  • organizações federais ligadas ao lançamento e ao acompanhamento de satélites;
  • centros de pesquisa e empresas de Tecnologia da Informação.

No curso, as disciplinas básicas das Engenharias estão presentes nos primeiros anos. Depois, o estudante desenvolve conhecimentos sólidos sobre áreas da computação, da eletrônica e da comunicação digital, como:

  • processamento de sinais;
  • telefonia;
  • ondas de rádio;
  • processos estocásticos;
  • comunicação via satélite, entre outras.

11. Engenharia de Software

As empresas estão cada vez mais interessadas em acompanhar os avanços da tecnologia e automatizar seus serviços. Assim como a criação de plataformas digitais continua em ascendência para atender diversos nichos de mercado. Por essas e outras razões é que a Engenharia de Software é apontada como uma das carreiras mais promissoras da área de TI.

A tendência é que essa graduação continue abrindo portas entre as profissões do futuro, com cada vez mais campo de trabalho e remuneração crescente. Então, vale muito a pena investir no curso de Engenharia de Software, principalmente se você já tem aptidão para lidar com a tecnologia.

A graduação é dividida em 8 semestres e o estudante passa por disciplinas como:

  • processos de desenvolvimento de software;
  • inovação tecnológica;
  • matemática computacional;
  • estrutura de dados;
  • programação;
  • sistemas operacionais;
  • algoritmos avançados;
  • programação de dispositivos móveis;
  • Big Data.

Atuando nesse tipo de Engenharia, o profissional pode desenvolver softwares para computadores, aplicativos para smartphones e tablets, além de criar jogos de videogames. O engenheiro também encontra espaço na área de gestão, com a responsabilidade de gerenciar o departamento de TI de empresas de médio e grande porte.

12. Engenharia de Alimentos

O estudante que opta por essa profissão é preparado, durante a faculdade, para atuar no ramo das indústrias alimentícias. O engenheiro de alimentos avalia os produtos e métodos de manuseio e elabora alternativas para otimizar os procedimentos e garantir mais segurança e qualidade nos resultados.

Da mesma forma que nos outros tipos de Engenharia, o estudante desse curso lida com cálculos e deve ter boas noções de Física. Além disso, a Química, a Bioquímica e a Microbiologia são essenciais no dia a dia do profissional.

Apesar de a indústria de alimentos concentrar a maior parte de oportunidades de atuação, o engenheiro também pode seguir carreira no campo de pesquisa alimentícia.

13. Engenharia de Energia

O profissional desse tipo de Engenharia trabalha na elaboração de estratégias para gerar e distribuir energia. Para isso, as atribuições do engenheiro incluem planejamento, análise e desenvolvimento de todos os processos envolvidos, desde a obtenção até a transmissão da energia.

Essa carreira é composta por grandes desafios, como encontrar fontes de energia em meio à escassez de recursos naturais. Isso porque uma das responsabilidades do engenheiro é gerenciar os métodos de trabalho para não causar impactos ao ecossistema.

Além das disciplinas comuns em todos os tipos de Engenharia, o futuro bacharel estuda matérias específicas como energia solar, térmica, nuclear e eólica. Visão estratégica e personalidade meticulosa são aspectos importantes para esse perfil profissional.

14. Engenharia Florestal

O estudante que quer construir carreira nesse tipo de Engenharia vai carregar o conceito de sustentabilidade como um dos pilares de sua atuação profissional. O engenheiro florestal é capacitado para coordenar a exploração de recursos naturais, sem que os processos causem danos ao meio ambiente.

No decorrer do curso, hidrologia, ecologia e zoologia são algumas das matérias estudadas. Disciplinas de Direito também fazem parte da grade curricular, considerando que o futuro profissional deve conhecer a legislação que trata das questões ambientais e florestais.

Quanto ao mercado de trabalho, quem se forma em Engenharia Florestal pode atuar nos seguintes ramos:

  • manejo florestal;
  • fiscalização;
  • ecologia aplicada;
  • silvicultura;
  • tecnologia de produtos florestais.

Como se destacar no curso de Engenharia?

Agora que você já conhece os principais tipos de Engenharia, viu que esse profissional tem grandes responsabilidades e atribuições, não é mesmo? Por isso, a formação deve ser muito bem aproveitada. Veja, abaixo, algumas boas práticas que vão ajudar você a se destacar durante o curso.

Manter os estudos em dia

Como deu para ver, qualquer curso de Engenharia que você escolher tem um currículo amplo e bem puxado. Além disso, muitas disciplinas exigem uma base anterior, já que os conhecimentos vão se tornando cada vez mais especializados ao longo do curso.

Desse modo, perder uma matéria pode comprometer todo o andamento da graduação. A dica é tentar manter os estudos sempre em dia. Assim, recuperar um assunto em que você teve dificuldade será mais tranquilo. Nesse caso, é legal:

  • realizar os exercícios sem atrasos;
  • acompanhar correções;
  • adotar técnicas de estudo;
  • frequentar revisões;
  • tirar as dúvidas etc.

Administrar a rotina

Além de cuidar dos estudos, o aluno que quiser se destacar tem que aprender a administrar a rotina como um todo — isso vale especialmente para quem precisa conciliar trabalho e faculdade. Afinal, sem uma boa organização de horários e equilíbrio das responsabilidades, fica mais difícil encarar as duas jornadas.

Por isso, anote aí algumas dicas:

  • tenha um cronograma com as atividades do seu dia a dia;
  • não deixe matéria acumular;
  • procure fazer atividades e trabalhos assim que eles forem passados, e não na última hora;
  • tente manter o seu trabalho sempre em ordem, para que não vire motivo de estresse;
  • não se esqueça de valorizar suas noites de sono e respeitar a necessidade de descanso do seu corpo.

Participar de atividades extraclasses

Um estudante de destaque também é aquele que participa das atividades extraclasse oferecidas pela faculdade. Até porque elas são um complemento importante para a formação do profissional. Por isso, faça um esforcinho para encaixar palestras, feiras e outros eventos organizados pelo departamento da sua área.

Para quem trabalha, pode ser difícil frequentar essas atividades, mas o esforço vale a pena! Então, tente pelo menos participar de algum evento de fim de semana ou se planejar com antecedência para conciliar com a rotina de trabalho.

Construir um bom currículo

Para pleitear uma bolsa de pós-graduação, participar de um processo seletivo de estágio ou mesmo para ter experiências de intercâmbio, o currículo acadêmico costuma ser levado em conta como um critério de seleção.

Para destacar o seu currículo (Lattes ou o comum mesmo), deixe-o recheado de informações como:

  • certificados de participação em eventos da área;
  • publicação de artigos acadêmicos;
  • desenvolvimento de um projeto de Iniciação Científica (IC);
  • participação em uma empresa júnior.

Investir em uma segunda língua

Por fim, não tem jeito: um profissional de Engenharia que quiser se destacar precisa investir em uma segunda língua. Aliás, em qualquer profissão, isso é um diferencial. Mas nos vários tipos de Engenharia, conhecer pelo menos o inglês se faz ainda mais importante.

Afinal, essa é a língua franca do comércio e das inovações tecnológicas. Por esse motivo, ter o inglês como segundo idioma faz muita diferença na trajetória de formação, bem como em futuros processos seletivos para inserção no mercado de trabalho.

Como escolher um bom curso de Engenharia?

Agora que você já sabe quais são os principais tipos de Engenharia e como essa carreira abre portas, está na hora de escolher a faculdade ideal. Confira 3 dicas fundamentais para a escolha de um bom curso!

Avalie a estrutura da faculdade

O primeiro passo é avaliar se a faculdade oferece uma boa estrutura para a formação do aluno. Essa preocupação começa desde a qualificação do corpo docente: os professores têm um bom currículo?

As instalações físicas também são relevantes, principalmente os laboratórios. Lembre-se de que mesmo os tipos de Engenharia que são oferecidos em cursos semipresenciais exigem uma vivência prática com equipamentos, aparelhos etc. Para tanto, é indispensável que a faculdade conte com essa estrutura.

Já em se tratando de cursos com uma carga de disciplinas na modalidade EAD, também vale a pena pesquisar sobre a qualidade da plataforma virtual.

Leve em conta os diferenciais e a flexibilidade

Com a correria dos estudos, principalmente para quem já trabalha, uma faculdade flexível faz toda a diferença. Quando o foco da instituição de ensino é o aluno, certamente você encontrará muitas opções para que a realização do curso seja possível.

Estamos falando desde formas de pagamento e possibilidade de financiamento até a distribuição da carga horária. Muitos cursos hoje em dia têm uma porcentagem de disciplinas oferecidas a distância, o que facilita muito a vida de quem precisa conciliar mais de uma jornada.

Considere a avaliação do MEC

A última dica é considerar a avaliação do MEC e as experiências de ex-alunos. Você pode acompanhar os conceitos no portal e-MEC. Basta preencher os dados da faculdade ou buscar pelo curso na aba “Pesquisa Avançada”.

São apresentados quatro conceitos, cujas notas variam de 1 a 5 (resultados iguais ou maiores que 3 são considerados bons):

  • Conceito Preliminar de Curso (CPC): diz respeito à média dos resultados do Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade) e avalia o curso em específico;
  • Índice Geral de Cursos (IGC): é atribuído a partir da média das últimas três avaliações da Coordenação de Aperfeiçoamento de Nível Superior (Capes) e avalia a Instituição de Ensino Superior (IES) como um todo;
  • Conceito de Curso (CC): é a nota final atribuída pelo MEC após avaliação dos técnicos;
  • Conceito Institucional (CI): também é fruto da análise de avaliadores do MEC, mas com ênfase nas instalações físicas da IES.

Diante de tudo o que vimos, que tal dar um grande passo em favor da sua futura carreira? Todos os tipos de Engenharia que abordamos aqui são cursos com excelente empregabilidade. Por isso, escolha a área com a qual você tem mais afinidade e empenhe-se nos estudos!

E aí, já sabe qual engenheiro você quer ser? E que tal conhecer um pouco mais sobre o cotidiano de diferentes profissionais para ajudar na sua escolha de carreira? Então, conheça o Rota das Carreiras e descubra o seu caminho!

Você também pode gostar