Entenda como a resiliência ajuda você a viver uma jornada dupla

resiliência
17 minutos para ler

Algumas capacidades são essenciais para lidar com diferentes áreas da vida e aproveitar cada momento da melhor forma. Uma delas se destaca por facilitar a integração de rotinas (pessoal e profissional) e tem um nome bem conhecido: a resiliência.

Muitas pessoas já ouviram a palavra por aí, mas não têm certeza sobre o seu significado. Seja qual for o seu caso, é fundamental entender melhor o assunto para descobrir como essa habilidade pode ajudar na construção de um futuro profissional de sucesso.

Quem precisa trabalhar e estudar, por exemplo, consegue enxergar vários benefícios ao se tornar mais resiliente. Afinal, passa a dar conta de atividades distintas, o que inclui projetos da faculdade, obrigações da vida particular e até funções rotineiras da profissão.

A consequência é a possibilidade de apresentar excelentes resultados em cada tarefa desenvolvida. Prossiga com a leitura do artigo para saber como isso acontece.

O que é resiliência?

Do latim Resilire, significa voltar atrás ou recusar algo. Essa explicação já deixa claro que a palavra envolve a retomada de determinados processos, mas é importante compreender como se aplica no dia a dia das pessoas.

Originalmente utilizado na Física, o termo representa a capacidade que um material tem de suportar grandes ou diferentes tipos de pressão — choques, mudanças bruscas de temperatura etc. —, mantendo suas características originais ou conseguindo recuperá-las rapidamente.

Ou seja, é o potencial de refazer ou reconstruir suas condições após uma deterioração, sem sofrer danos irreversíveis. Bons exemplos de materiais resilientes incluem a lycra e o nylon, visto que podem ser esticados e voltar à forma original com ausência de rasgos/defeitos.

A resiliência na Psicologia

Chegamos ao foco da nossa discussão. Agora que você já entendeu a origem do termo e como foi empregado em outras áreas, precisa entender o conceito no campo da Psicologia. Os dicionários trazem a definição como “tendência natural para superar problemas ou se recuperar após o enfrentamento de um obstáculo”.

Em outras palavras, resiliência é a capacidade que um indivíduo tem de lidar com situações adversas a partir do autoconhecimento. É uma qualidade essencial para se adaptar a mudanças com facilidade, resistindo a pressões sem deixar que elas causem abalos emocionais, físicos ou psicológicos.

O que significa ser uma pessoa resiliente?

Como toda capacidade, a resiliência pode ser desenvolvida e apresentada por diferentes indivíduos, em níveis distintos. Em geral, quem domina essa habilidade consegue pensar e agir bem sob pressão, o que faz com que exista condição de superar desafios independentemente do cenário.

Uma pessoa resiliente aprende com seus erros e sabe aproveitar cada oportunidade para melhorar sua postura diante dos problemas. Não é à toa que passa a ser mais confiante com o passar do tempo, usando as experiências vividas como base para tomar decisões e executar tarefas.

A adaptação para quem trabalha e estuda com resiliência é facilitada em qualquer circunstância. Isso significa que, ao cultivar esse caráter, você poderá cumprir todas as atividades cotidianas com maestria. Assim, terá um bom desempenho tanto nas funções profissionais quanto na rotina da graduação.

Quais são as características de alguém com esse perfil?

Encarar a vida de forma leve é uma prática comum entre as pessoas resilientes. Por terem maior controle emocional para lidar com as situações, elas são capazes de selecionar a melhor abordagem a cada momento. Inclusive, muitos de seus desafios são vistos como oportunidades para aprender.

Parece que estamos descrevendo um perfil bem positivo, certo? Pois essa percepção condiz com a realidade. Veja abaixo as principais características dos indivíduos resilientes.

Autoconfiança

Transitar entre pensamentos lógicos e intuitivos, intercalar comportamentos sérios e brincalhões, demonstrar forças e fraquezas. Todas essas práticas são desenvolvidas com facilidade por pessoas que têm resiliência. Elas se sentem muito à vontade para utilizar habilidades opostas porque confiam em seu potencial.

Isso explica o motivo de serem geralmente pessoas com potencial para liderar equipes e criar soluções. A sólida autoestima não impede que identifiquem defeitos e pontos negativos. O resiliente aceita bem as críticas e trabalha a partir delas para melhorar sempre.

Persistência

Esse perfil tem muita energia disponível para superar obstáculos e alcançar objetivos. Assim, quando elabora uma meta, não descansa até conseguir atingi-la. O tempo necessário para chegar onde deseja não é tão importante, o que faz com que ignore preocupações que poderiam gerar estresse ou ansiedade.

Para os resilientes, toda conquista é motivo de comemoração, o que torna o ato de persistir bastante motivador. Essa conduta ocorre durante a busca por diferentes coisas — como aprender algo novo, comprar um bem ou produto, economizar dinheiro, viajar, fazer um curso etc.

Otimismo

Como não se abalam com facilidade, as pessoas que desfrutam da resiliência tendem a apreciar a vida com bons olhos. Ações precipitadas geram muito desgaste e não são bem-vindas. Para elas, é mais fácil ser tolerante e exercitar paciência ao encarar problemas ou momentos difíceis.

Conviver com alguém desse perfil é estar constantemente envolvido em uma atmosfera positiva, seja qual for o cenário. Isso porque os resilientes agem com otimismo e sabem que eventuais “desgraças” podem fortalecê-los. Nessas situações, eles sempre perguntam o que fazer em vez de apenas reclamar.

Criatividade

Essa característica é consequência da anterior, afinal, emoções positivas são um bom combustível para a imaginação. É preciso estar bem e encarar a rotina com ânimo para colocar a mente no lugar. Esse cuidado com o próprio bem-estar possibilita a elaboração de ideias e novos projetos.

Ainda que o resiliente tome atitudes de modo racional, também sabe quando confiar em sua intuição. Essas variações na forma de pensar e agir contribuem para o aumento da criatividade, fazendo com que ela esteja presente em diversos momentos do dia.

Empatia

O autoconhecimento, ou conhecimento de si, permite que a pessoa resiliente aprenda a respeitar as diferenças. Ao reconhecer seus pontos positivos e negativos, ela passa a entender que essa dualidade também está presente no perfil de outros indivíduos.

Tal percepção contribui para o desenvolvimento da empatia, de modo que seja possível praticá-la em todas as suas relações (com a família, par amoroso, parceiros de trabalho, amigos e colegas da faculdade). O resiliente pode, dessa forma, interagir com diversos grupos de maneira saudável.

Como a resiliência ajuda a viver uma jornada dupla?

A vida é feita de momentos bons e ruins que se intercalam desde o instante em que nascemos. É claro que desejamos uma maior quantidade de situações agradáveis, afinal, elas geram os impulsos necessários para a busca de mais e mais conquistas.

Um ponto a destacar é que pessoas resilientes conseguem desfrutar de um número bem maior de eventos positivos. Isso porque, muitas vezes, enxergam algum potencial em cenários que outros indivíduos considerariam ruins ou desfavoráveis.

Trata-se de uma capacidade incrível de ir além e investir em tudo o que possa trazer algum retorno. Se você acha que ainda precisa desenvolver essa força interior, veja a seguir bons motivos para continuar com a ideia.

Não permite desistências

Muita gente fica confusa ao se deparar com imprevistos, o que pode levar ao desespero e gerar sintomas de estresse. Imagina quão prejudicial seria perder o controle durante a realização de um trabalho em equipe ou de uma prova?

Nessas situações, é comum que o organismo sinta os impactos e envie um alerta ao indivíduo. Sentimentos de tristeza, desânimo e até raiva ajudam a frear o processo para eliminar o sofrimento. Com medo de enfrentar isso novamente, a pessoa passa a desistir com facilidade e cada vez mais.

Quem é resiliente não tem esse problema porque aceita riscos e sabe que todo erro ou fracasso pode virar aprendizado. Quanto mais insiste em superar obstáculos, mais segurança adquire para seguir em frente, sem o receio de falhar ou demonstrar fragilidades.

Constrói o poder de adaptação

Vivemos em um mundo globalizado, repleto de oportunidades para a capacitação profissional e construção de carreiras. Com tantas opções de atividades, é essencial ter facilidade para transitar entre diversos ambientes, buscando formas de aproveitar cada situação.

A resiliência pode ser uma ótima aliada em suas caminhadas, seja para exercer um cargo com eficiência, seja para estudar na faculdade que você tanto deseja. Ela é muito mais que resistência, pois, além de permitir que o indivíduo segure a barra em momentos difíceis, mostra soluções alternativas para os problemas.

Assim como o bebê que aprende a caminhar depois de muitas quedas, um adulto usa o caráter resiliente para se adaptar a mudanças e novidades que surgem em sua rotina. Isso possibilita conciliar vida pessoal e profissional sem dificuldade.

Valoriza aspectos positivos e negativos

Boa comunicação, criatividade e inteligência emocional estão entre as habilidades importantes para um convívio saudável em diversos ambientes, incluindo empresas e instituições de ensino. Logo, desenvolvê-las é uma ótima forma de obter destaque e se relacionar com os demais.

O problema é que muitas pessoas sentem a obrigação de mostrar perfeição em tudo, a todo momento. Assim, quando algo não sai como o esperado, tendem a levar para o lado pessoal ou colocar a culpa em terceiros. Um perfil resiliente faz o oposto: reconhece seus defeitos e procura resolvê-los.

Essa habilidade demanda a visualização dos pontos positivos e negativos em todas as atividades realizadas. Dessa forma, é possível entender que erros fazem parte das ações humanas e não devem ser motivo para aflições e desistências.

quiz-descobrir-o-seu-perfil-empreendedorPowered by Rock Convert

Como ter mais resiliência?

Essa capacidade impacta todas as áreas da vida, embora algumas pessoas tenham ela mais presente em determinados aspectos. O ideal, independentemente do seu interesse, é tentar desenvolvê-la ao máximo para tirar proveito de cada benefício.

Com base nas características de uma pessoa resiliente, é possível descobrir quais atitudes e estratégias devem estar inclusas em sua rotina. Veja abaixo algumas delas e comece a “dar a volta por cima” em tudo o que você faz.

Se mantenha flexível

Quer que a adaptabilidade faça parte do seu conjunto de habilidades? Nesse caso, aceite o fato de que nem sempre as coisas precisam ser feitas da mesma maneira, com procedimentos padronizados e etapas organizadas em uma ordem fixa.

Esse é só um exemplo do que você pode mudar para analisar outras possibilidades e encontrar saídas para eventuais problemas. Ser flexível não significa abrir mão de ideias originais e que funcionam, mas estar aberto a olhar as coisas a partir de diferentes ângulos, sem que isso gere incômodo.

Cultive bons hábitos

Ter atitude positiva e empatia com o próximo é extremamente benéfico, mas algumas situações podem dificultar o cultivo desses sentimentos. Nesses casos, uma boa maneira de controlar impulsos é adotar hábitos saudáveis para acalmar os pensamentos e agir com consciência.

Respirar fundo ao sentir raiva ou contar até 10 antes de responder a um comentário desconfortável são bons exemplos. As velhas dicas de ser cordial e respeitar as opiniões contrárias também permanecem relevantes.

Quem exerce dupla jornada sabe que não é fácil dar conta de estudar, trabalhar e ainda ter disposição para curtir o lazer com os amigos e os familiares. Vez ou outra surgirão brigas, desentendimentos e outros desconfortos, mas lembre-se de que tudo passa.

Libere a tensão

A rotina atribulada pode gerar sintomas físicos e psicológicos indesejados. É importante que você os reconheça e procure formas de liberar a tensão acumulada ao longo de cada semana.

Praticar a resiliência também é saber ouvir o próprio corpo e agir a tempo para não prejudicar a própria saúde. Afinal, se você não estiver bem, dificilmente terá condições de interagir com outras pessoas e de produzir alguma coisa.

Quando perceber uma dor ou experimentar sentimentos negativos, largue os compromissos e vá fazer uma atividade prazerosa: caminhar, ouvir música, meditar, cozinhar, dormir etc. Escolha um exercício agradável e que ajude a levar as preocupações embora.

Explore novidades

Pessoas curiosas têm facilidade para desenvolver a resiliência, visto que costumam assumir riscos e buscar estímulos que possam acrescentar algo a mais às suas vidas. Inspire-se nelas e saia do comodismo. Você não precisa ter tudo devidamente planejado para ir atrás de novidades.

Pense que cada experiência nova é valiosa para construir seu perfil. Enquanto não chega ao seu grande objetivo (formar-se na faculdade, por exemplo), aproveite a caminhada para aprimorar habilidades. Esse processo será mais leve se você valorizar pequenas conquistas e acreditar no seu potencial.

Como organizar a rotina?

Cursar o ensino superior representa o sonho de muitas pessoas, mas várias encontram dificuldades para seguir esse projeto. Um dos obstáculos é justamente o trabalho, que ocupa parte do tempo diário e faz com que o planejamento para estudar fique mais limitado.

Pensando na realidade de quem pretende fazer uma graduação sem abandonar o emprego, listamos algumas práticas que podem ajudar.

Defina prioridades

Não há segredo: para ter uma carreira de sucesso e cumprir suas obrigações profissionais, você precisa encontrar formas de encaixar diversas atividades em sua rotina. A resiliência tem papel importante aqui, já que ajudará a manter o foco em ambos compromissos.

Acontece que, por maior que seja o esforço, nem sempre será possível bater as metas diárias. Cabe a você aceitar isso e aprender a abrir mão de algumas tarefas quando for necessário. Em situações de urgência, é preciso saber o que priorizar para não ver seu desempenho caindo.

Crie um cronograma

Um excelente recurso para conciliar trabalho e estudos é o cronograma, que pode ser montado em um caderno ou planilha digital. O processo consiste em listar todos os afazeres do dia e, depois, categorizá-los conforme o nível de importância.

O objetivo é garantir que todas as tarefas sejam lembradas e cumpridas na data e no horário previstos. Dessa forma, você consegue ter noção das responsabilidades assumidas e pensar em maneiras de cuidar de cada uma delas.

Inclua, nesse material, detalhes que facilitem sua organização: o número da sala que abrigará a próxima reunião da empresa, as páginas do livro que o professor da faculdade pediu para ler, o nome dos colegas que farão parte do grupo de estudos etc.

Otimize o seu tempo

Aproveitar cada minuto é outro passo fundamental para dar conta dos estudos e das funções do trabalho. Parece óbvio, mas muita gente ainda faz mau uso do tempo disponível, o que gera atrasos em compromissos, entregas fora de prazo e outros inconvenientes.

Uma forma de otimizar a rotina é enxugar processos, como o deslocamento até a instituição de ensino ou a empresa. Quem presta serviços na modalidade home office, por exemplo, pode morar perto da faculdade para economizar tempo em trajetos a pé ou de ônibus.

Quem trabalha em uma organização que demanda o cumprimento de horários fixos, por outro lado, pode encontrar a solução na educação a distância (EAD). Com uma graduação que funcione na modalidade de Ensino Digital, fica mais fácil estudar nos horários oportunos.

Use ferramentas

Que tal aproveitar a resiliência para dominar de vez aqueles recursos tecnológicos que facilitam a sua vida? Há uma série de aplicativos, assistentes digitais e ferramentas para gestão de tempo gratuitos, com os quais você consegue organizar agendas e tarefas diversas.

Basta pesquisar os recursos conforme a funcionalidade desejada: elaborar relatórios, cronometrar o tempo em frente ao computador, categorizar compromissos, emitir lembretes, entre outros. Opções não faltam para você instalar em seu smartphone e controlar cada processo rotineiro.

Como planejar os estudos?

A capacitação profissional jamais deve ficar em segundo plano — por isso, capriche nas ações tomadas para iniciar a graduação. Mesmo que o emprego atual não tenha relação com a área que você deseja seguir, é totalmente possível conciliar as atividades e ter êxito.

Confira algumas dicas para tirar o projeto de estudar do papel.

Escolha uma boa instituição

Vimos que os desafios podem gerar ótimas oportunidades de aprendizado e que obstáculos fazem parte do processo de melhoria como indivíduo. No entanto, é sempre bom contar com facilidades que tornem nossa caminhada mais leve, certo?

Nesse sentido, um bom conselho para quem quer começar os estudos com o pé direito é selecionar uma instituição que ofereça oportunidades variadas aos seus alunos.

Assim, além de cursos de graduação, verifique se o grupo educacional dispõe de especializações, mestrado, doutorado e cursos livres. Eles podem complementar sua formação e abrir muitas portas no mercado de trabalho.

Avalie as modalidades

Outro cuidado importante na hora de planejar seus estudos é descobrir qual modalidade de ensino é mais adequada ao seu perfil e condições atuais. Enquanto algumas instituições trabalham apenas com cursos presenciais ou com faculdade a distância, outras oferecem ambas alternativas.

O cargo exercido em seu dia a dia profissional e o tipo de graduação que pretende cursar vão determinar a melhor opção para suas necessidades. Considere tempo disponível, distância da instituição e outros fatores para tratar trabalho e faculdade com a mesma importância.

Varie nas estratégias

Você pode ter bastante resiliência nos estudos, mas sabe que não é fácil manter a produtividade alta por muito tempo. Alguns assuntos tendem a se tornar maçantes, o que faz com que a vontade de adiar etapas aumente. Quando isso acontece, o ideal é diversificar os métodos usados para obter conhecimentos.

Não apenas a leitura ou a realização de simulados que funcionam na hora de fixar conteúdos. Você também pode lançar mão dos resumos, dos áudios (podcasts) e dos mapas mentais para estimular o cérebro, tornar as aulas mais atrativas e melhorar seu desempenho.

Utilize técnicas

Na mesma linha do tópico anterior, é importante que você adote recursos que potencializem o estudo de diferentes disciplinas. Como exemplo, temos a técnica Pomodoro, que consiste em executar atividades (revisões, questionários, resumos etc.) em períodos de 25 minutos.

Esse tempo de foco total é intercalado com rápidos intervalos para descansar a mente e recuperar a energia. O objetivo é incluir uma espécie de cronômetro nas tarefas para melhorar a concentração e garantir que tudo seja finalizado no prazo determinado.

Ferramentas e truques não faltam para você encontrar o método adequado. Agora, faça como uma pessoa que alcançou o mais alto nível de resiliência e experimente inúmeras práticas. A adaptação a uma rotina repleta de compromissos, principalmente em tempos difíceis, fará toda a diferença em sua performance.

Se você gostou do tema deste artigo, compartilhe-o em suas redes sociais. Dessa forma, outras pessoas poderão aproveitar as dicas e refletir sobre o poder de ser resiliente.

Você também pode gostar