Nota de corte: conheça o número que permite sua aprovação no vestibular

nota de corte
7 minutos para ler

Tanto as instituições de ensino quanto os programas de bolsa e financiamento estudantil estipulam critérios para selecionar, entre os candidatos, aqueles que serão beneficiados. Um dos mais importantes é a nota de corte. Você sabe o que esse conceito significa?

A verdade é que, se você pesquisar e entender o tema, será possível direcionar melhor as suas escolhas e encontrar alternativas caso não tenha obtido um bom desempenho no Enem. É que o desempenho mínimo também serve para ver quais vagas, bolsas, créditos, descontos e demais benefícios estão sobre a mesa.

Por isso, recomendamos fortemente que você continue a leitura deste post. Ao longo do texto, explicamos tudo sobre a nota de corte para não haver mais dúvidas e facilitar a sua tomada de decisão sobre fazer faculdade. Não deixe de conferir!

Conheça o conceito de nota de corte

A nota de corte é uma ferramenta de triagem, em que é estabelecido um patamar mínimo de desempenho em um processo seletivo, como o menor resultado para concorrer a vagas do curso, obter uma bolsa ou financiar os estudos. É algo, portanto, que funciona como uma meta para o candidato.

No caso do Enem, por exemplo, existe um piso para o Prouni e para o FIES, outro para utilização junto às faculdades como substituto ou complemento do vestibular, um terceiro para concorrer a descontos nas mensalidades. Ademais, nos dois programas governamentais, o mínimo necessário depende da concorrência pelo curso.

Vale ressaltar que superar a nota de corte não significa obter automaticamente o benefício, mas sim entrar no páreo. Ao lado do critério eliminatório, ou seja, para descartar candidatos, são usados os classificatórios para criar uma lista e definir quem tem a preferência.

Consequentemente, a tendência é que, quanto mais acima do mínimo necessário, maiores sejam as suas chances de conquistar a oportunidade desejada. Não à toa, muitos estudantes usam a proximidade com a nota de corte para determinar as escolhas em situações como a do Prouni e do FIES, em que existe um número limitado de “apostas”. 

Descubra como a nota de corte dos vestibulares é calculada

No caso dos vestibulares, cada instituição de ensino é livre para definir os desempenhos mínimos para concorrer por vagas e benefícios, bem como para substituir ou complementar a avaliação própria pelo Enem.

Geralmente, a nota de corte funciona como limitador. Por exemplo, se a faculdade só abre 20 vagas e há 2 mil interessados, o processo seletivo pode estabelecer um desempenho mínimo para reduzir a lista de candidatos aptos a 100, considerando o histórico de performance dos estudantes ou reprovando quem não estiver entre os primeiros.

Perceba, nas duas possibilidades do exemplo, que haverá uma pontuação mínima necessária para passar na prova e pleitear uma vaga, que é a nota de corte. Além disso, com o sistema de cotas, é possível que a barreira de entrada seja menor para negros, pardos, índios e pessoas com deficiência.

É importante destacar que, no caso da nota do Enem, o valor a ser considerado para concorrer a um benefício é a média obtida no boletim do exame. Para calcular, some a notas dos cinco quesitos da prova:

  • Redação;
  • Matemática e suas Tecnologias;
  • Ciências Humanas e suas Tecnologias;
  • Ciências da Natureza e suas Tecnologias;
  • Linguagens, Códigos e suas Tecnologias.

Posteriormente, divida o resultado por 5 para obter a sua nota e poder comparar com o mínimo necessário para os cursos do Prouni e do FIES. Em outros benefícios, como veremos mais à frente, pode acontecer de a média da prova ser pedida em separado da redação.

Entenda o que pode alterar uma nota de corte

Diversos fatores podem influenciar a nota de corte. Na verdade, diferentemente do que muitos pensam, não é apenas o interesse dos candidatos, embora esse seja um critério relevante para definir o piso de uma oportunidade. Veja, a seguir, 4 fatores importantes.

Vestibular-onlinePowered by Rock Convert

Dificuldade da prova

Dependendo do nível de dificuldade da prova, a tendência é a média geral cair. Consequentemente, a nota de corte será mais baixa, sob risco de a instituição de ensino não conseguir captar candidatos aptos. 

Capacitação dos alunos para a prova

Por outro lado, o nível de preparo dos candidatos força o mínimo necessário em sentido oposto, aumentando a média geral. 

Número de concorrentes por vaga

Em terceiro lugar, existe o número de candidatos por vaga. Se a relação for inversamente proporcional, ou seja, se o número de candidatos for muito maior que o de vagas, mais próximo do topo da lista é preciso estar para concorrer às oportunidades.

Infraestrutura e modelo de gestão da faculdade

Por fim, universidades públicas terão notas de corte mais elevadas do que as particulares. Afinal de contas, entre outros fatores, os novos alunos do setor público não trazem novos recursos. Já nas privadas, o ingresso representa a possibilidade de investimentos em infraestrutura e abertura de turmas, ajustando-se a oferta à demanda.

Também é possível que, mesmo no setor privado, os cursos de Medicina tenham um piso mais elevado. É que, por diversos motivos, como regulação e investimento inicial, as vagas são mais escassas, e o processo de abrir novas turmas é mais difícil.

Fique por dentro de como utilizar sua nota de corte

Ao lado do critério de renda familiar, a nota de corte é bastante utilizada como mecanismo eliminatório ou classificatório. Neste tópico final, trouxemos as aplicações mais recorrentes desse método.

Triagem de candidatos para a segunda fase

Em alguns vestibulares, a finalidade é limitar o número de aprovados para as provas escritas. Isso acontece porque, enquanto a prova objetiva pode ser corrigida automaticamente pelo cartão de respostas, a discursiva exige a contratação de avaliadores.

Aprovação no vestibular

Igualmente, a nota de corte é utilizada para determinar quem poderá buscar uma vaga na faculdade, o que inclui os convocados em primeira chamada e a lista de espera, caso a turma não seja preenchida por quem teve a preferência.

Obtenção de benefícios

Processos seletivos relacionados a créditos, bolsas e descontos também utilizam o sistema. Há casos, como no parcelamento estudantil, em que basta a aprovação no vestibular. Já em outros, como Prouni e FIES, a nota deve ser a do Enem e varia de curso para curso.

Substituição do vestibular

O desempenho do Enem também pode ser utilizado para substituir o vestibular da faculdade. No caso da Estácio, além de aproveitar o resultado, você já terá a garantia de 50% de bolsa durante todo o curso e, trazendo a nota do Enem, é possível aumentar ainda mais esse benefício!

Nesse sentido, qualquer que tenha sido a sua escolha inicial para ingressar na faculdade — vestibular ou Enem —, é importante controlar a ansiedade e não desanimar. Mesmo se não vier o resultado esperado em um primeiro momento, é possível buscar alternativas.

Por isso, nossa mensagem final é de que existem inúmeras maneiras de fazer faculdade, e a nota de corte não é uma barreira definitiva. Você sempre pode buscar novas oportunidades, bolsas, créditos e outras medidas para conquistar o seu diploma.

Se quiser conhecer todas as opções disponíveis, acesse a página de inscrições da Estácio e leia nosso post sobre como entrar na faculdade!

Você também pode gostar