Vale a pena considerar abrir uma empresa júnior de Medicina?

empresa júnior de medicina
6 minutos para ler

Uma empresa júnior de Medicina tem o objetivo de ajudar na formação de médicos empreendedores e capacitados em gestão de saúde. Os acadêmicos desse curso estão cada vez mais envolvidos em assuntos como empreendedorismo, liderança e gerenciamento, incentivados pelo crescente número de startups formadas por profissionais da área da saúde.

O movimento é muito importante para estudantes que buscam um ensino que não esteja orientado somente à assistência médica tradicional. Afinal, ele ajuda a identificar problemas e oportunidades para investir competências e recursos na criação de um projeto ou negócio capaz de gerar mudanças e causar um impacto positivo.

Quer saber mais sobre a empresa júnior de Medicina e os desafios desse empreendimento? Continue a leitura e descubra!

Atribuições de uma empresa júnior de Medicina

A empresa júnior de Medicina é uma associação sem fins lucrativos que pode contar com a participação de estudantes de outros cursos, como Enfermagem, Direito e Administração. Todo o faturamento adquirido com os trabalhos é destinado à capacitação dos membros voluntários.

O objetivo é oferecer experiência empresarial e promover o crescimento pessoal e profissional dos jovens. A Lei 13.267/2016 reconhece e regulamenta as empresas juniores, autorizando o funcionamento em faculdades.

Conheça as principais atribuições de uma empresa júnior de Medicina.

Gestão financeira

Uma empresa júnior de Medicina pode realizar projetos de gestão financeira para clínicas, consultórios e hospitais. Além disso, é possível oferecer o serviço de consultoria para médicos recém-formados a fim de que eles já se formem com, pelo menos, a noção básica desse tipo de gerenciamento.

Gestão de carreira

A orientação de estudantes de Medicina e médicos recém-formados em relação às possibilidades de atuação no mercado de trabalho e análise de áreas e especialidades é um setor muito importante. Os consultores da empresa júnior podem orientar alunos e profissionais com relação a:

  • qual área escolher para fazer especialização ou residência médica;
  • qual cidade, estado ou região oferece as melhores condições de trabalho, vagas de emprego, qualidade de vida e salário;
  • como olhar além da Medicina e atuar em setores de gestão, empreendedorismo e educação;
  • quais são os direitos e deveres dos médicos, residentes e estudantes, de acordo com as regras das cartilhas dos Conselhos Regionais e Federais de Medicina.

A presença de orientadores com vivência de mercado é fundamental nesse tipo de serviço prestado. Além disso, os médicos precisam de conhecimento e consultoria sobre gestão de mídias sociais e de publicidade médica.

Gestão de sistema de saúde

Os sistemas de saúde passam por muitos problemas causados pela má gestão e fluxo inadequado de funcionários, pacientes e equipamentos, com administração sem diretrizes e protocolos. Nesse sentido, a empresa júnior de Medicina pode realizar o diagnóstico situacional da unidade de saúde — privada ou pública — e aplicar processos operacionais para organizar os fluxos.

Entre as diretrizes e os fluxos que ajudam a organizar os sistemas de saúde, estão:

  • pesquisas de satisfação dos pacientes;
  • análise da fidelização dos médicos;
  • análise de viabilidade técnica;
  • pesquisa de mercado para instalação de novas unidades de saúde;
  • avaliação e conferência de regras de vigilância sanitária e ambiental;
  • verificação dos regulamentos próprios da clínica ou do hospital;
  • elaboração de cartilhas com regras para pacientes, médicos, enfermeiros e demais funcionários;
  • análise de ergonomia dos consultórios;
  • realização do marketing externo e interno da unidade de saúde e dos médicos.

Principais desafios de uma empresa júnior na Medicina

Em geral, o curso de Medicina tem o currículo direcionado para as áreas de atenção, cuidado e prevenção em saúde. Abrir e participar de uma empresa júnior de Medicina permite que você seja um agente transformador dentro dos sistemas de saúde, atuando em processos que podem minimizar gastos e ampliar a rede de cuidados.

No entanto, existem diversos desafios que devem ser superados. Confira.

Sair da zona de conforto

Atuar em uma empresa júnior significa sair da zona de conforto, tanto pelo lado pessoal quanto profissional. Ser um empresário júnior implica em desenvolver autonomia na tomada e decisão e demanda executar tarefas e funções que ainda são desconhecidas.

Manifestar novas ideias e colocá-las em prática não é fácil, assim como estar aberto a receber opiniões diferentes e a conviver com outras pessoas. No entanto, todos os contratempos surgem para o seu desenvolvimento.

Lidar com obstáculos do empreendedorismo

Empreender na faculdade e fora dela resulta em muitos desafios, especialmente em relação à burocracia. Além disso, o profissional de saúde não deve apenas ser empreendedor, pois é preciso conhecer as demandas da sociedade, deter conhecimento científico e pensar em inovações.

Nesse sentido, a empresa júnior de Medicina dá autonomia aos alunos e ajuda a formar médicos líderes e responsáveis por equipes qualificadas, permitindo colocar em prática projetos empreendedores e aprimorando métodos de cuidado humano.

Conviver com situações novas

Enfrentar situações difíceis e saber que você deve e pode resolvê-las é importante para ganhar mais autoconfiança, autonomia, poder de decisão e tolerância aos riscos. No cotidiano de uma empresa júnior, isso acontece na prática, especialmente durante a apresentação do resultado de um projeto aos demais membros ou à companhia contratante dos serviços.

Além disso, para abrir uma empresa júnior de Medicina, você vai precisar negociar com as instâncias superiores da faculdade, organizar eventos e cursos voltados à comunidade acadêmica, recrutar e aprovar novos alunos, entre outras ações.

Saber trabalhar em equipe

Empresas juniores são formadas por equipes e setores, que precisam atuar em conjunto para atingir todos os objetivos. Dessa forma, saber cooperar com o grupo é uma habilidade fundamental.

Esse tipo de competência pessoal é muito importante para a criação de uma boa relação entre médicos e pacientes, além de melhorar o diálogo com a equipe de trabalho. Saber trabalhar em grupo também é uma habilidade associada à inteligência emocional — uma característica muito procurada pelo mercado de trabalho.

Muitas vezes, os médicos saem da faculdade sem saber administrar o próprio consultório e a própria carreira, aprendendo isso apenas na prática profissional. Com a criação da empresa júnior de Medicina, é possível estimular esse pensamento dentro do curso.

Gostou do conteúdo? Então, siga nossos perfis nas redes sociais para ficar por dentro de todas as novidades! Estamos no Facebook, no Instagram e no LinkedIn.

CARREIRAS DA SAÚDE
Você também pode gostar

Deixe um comentário