Tabela periódica: aprenda como fazer a leitura corretamente

tabela periodica
6 minutos para ler

Na disciplina de Química — logo no Ensino Fundamental e, depois, no Ensino Médio —, os alunos têm contato com a tabela periódica dos elementos. Ela é importante também para quem vai fazer o Enem.

Geralmente, quando o estudante tem o seu primeiro contato com essa ferramenta, ele se assusta, imaginado que será uma árdua tarefa estudá-la.

Mas não é necessário memorizar a tabela periódica completa — uma façanha de Hércules! Leia nosso artigo e confira mais detalhes a respeito do assunto!

O que compõe a tabela periódica?

A tabela periódica é um modelo que reúne todos os elementos químicos descobertos e as suas propriedades. Até chegar ao modelo moderno, muitos cientistas desenvolveram diferentes tabelas.

Quem organizou a versão mais completa, em 1869, foi Dmitri Mendeleiev (químico russo que viveu entre 1834-1907), considerando a massa atômica dos elementos. O químico organizou os elementos em grupos conforme a semelhança de suas propriedades, deixando espaços para criar uma tabela periódica atualizada, com aqueles que ainda seriam descobertos.

Em 1913, Henry Moseley reorganizou a tabela como a conhecemos atualmente, conforme o número dos elementos químicos. Posteriormente, William Ramsay identificou outros elementos: argônio, neônio, criptônio e xenônio. Ao lado do hélio e do radônio, eles compuseram a família de gases nobres.

Os elementos transurânicos (número 94 ao 102) foram descobertos por Glenn Seaborg. Ele reorganizou a tabela periódica em 1944, com a série de actinídeos sob a série de lantanídeos.

A tabela completou 150 anos em 2019 — considerado, pela Unesco e pelas Nações Unidas, como o Ano Internacional da Tabela Periódica dos Elementos.

Como é a organização da tabela periódica?

Na tabela periódica, os elementos químicos estão organizados em ordem crescente de número atômico (quantidade de prótons do átomo). Cada quadrado da tabela define o nome do elemento químico, com seu número atômico e seu símbolo.

A leitura é feita da esquerda para a direita: o primeiro elemento é o hidrogênio (número atômico = 1) e o último elemento é o oganessônio (número atômico = 118). Ao todo, são 118 elementos químicos, sendo 92 naturais e 26 artificiais.

As colunas são chamadas de “grupos”, e reúnem os elementos que apresentam propriedades físico-químicas semelhantes. As linhas são chamadas de “períodos”, e indicam a camada eletrônica mais energética do elemento.

Além de grupos e períodos, a tabela apresenta muitas subdivisões. Há a diferenciação entre metal ou ametal, representativos ou de transição, com subdivisão conforme a distribuição dos elétrons na camada.

Quais são as propriedades periódicas?

A tabela periódica serve para reunir, de forma organizada, os elementos químicos que o ser humano já descobriu. O objetivo é facilitar a classificação, a organização e a reunião desses elementos, de acordo com as propriedades que apresentam. Assim, fica mais fácil o trabalho dos diferentes profissionais e pesquisadores que trabalham na área de Química.

Diferentes propriedades químicas e físicas dos elementos e das substâncias costumam variar em intervalos regulares, seguindo o aumento ou a redução dos números atômicos. Esses intervalos são chamados “períodos”.

A seguir, veja quais são as propriedades chamadas de “periódicas”!

Raio atômico

O raio atômico corresponde à metade da distância entre os núcleos de dois átomos do mesmo elemento químico. Assim, é calculado pela fórmula:

  • r = d ÷ 2

Na tabela periódica, o raio aumenta de cima para baixo e da direita para a esquerda. É assim porque, na mesma coluna (família), as camadas eletrônicas aumentam à medida que se desce uma “casa” (quadrado) — e o raio atômico também aumenta.

Na mesma linha (período), a quantidade de camadas eletrônicas é a mesma, mas o total de elétrons aumenta da esquerda para a direita. Dessa forma, o tamanho do átomo diminui, já que aumenta a atração pelo núcleo.

Potencial de ionização ou energia

O potencial de ionização é a energia mínima necessária para que o elétron de um átomo ou íon, no estado gasoso, seja removido. O elétron sempre é removido da última camada eletrônica — a camada de valência.

Existe uma relação entre o raio atômico e o potencial de ionização. Quanto maior o raio atômico, mais afastados do núcleo ficarão os elétrons da última camada eletrônica, e menor será a energia necessária para remover os elétrons (e vice-versa).

Eletronegatividade

A eletronegatividade é a tendência de um átomo de atrair elétrons em uma ligação covalente de uma molécula isolada. Os valores da eletronegatividade foram definidos pela escala de Pauling. Verificou-se que, na medida em que o raio aumenta, diminui a atração do núcleo pelos elétrons na camada mais externa (valência).

Resumindo: na tabela periódica, a eletronegatividade aumenta de baixo para cima, e da esquerda para a direita.

Eletropositividade

É a capacidade de um átomo em se afastar dos elétrons mais externos, quando comparado a outro átomo, no processo de dar origem a uma substância composta.

É o inverso da eletronegatividade, ou seja, aumenta de cima para baixo, e da direita para a esquerda na tabela periódica.

Eletroafinidade ou afinidade eletrônica

A eletroafinidade equivale à energia emitida por um átomo em estado gasoso, sempre que ele captura um elétron. Ela mostra o nível de afinidade da atração do átomo pelo elétron acrescentado.

É uma propriedade que aumenta de baixo para cima, e da esquerda para a direita na tabela.

Propriedades aperiódicas

São propriedades que mudam na medida em que o número atômico aumenta. Porém, não seguem a posição na tabela periódica, o que significa que não há repetição em períodos regulares.

As propriedades aperiódicas são:

  • índice de refração;
  • calor específico;
  • massa atômica;
  • dureza.

Quais questões são mais frequentes no Enem?

É importante se atualizar sobre as provas do Enem para identificar as questões que mais caem sobre tabela periódica. Vejamos alguns temas mais comuns:

  • propriedades periódicas (raio atômico, energia, eletropositividade, eletronegatividade, eletroafinidade);
  • famílias e períodos;
  • número atômico (número de prótons);
  • numero de massa (número de prótons + número de nêutrons).

Esboçamos um panorama geral da tabela periódica. Agora, você pode estudar com mais objetividade essa parte da Química, que compreende como fazer uma leitura simples das informações contidas na tabela.

Se quiser se preparar ainda mais, faça nosso curso preparatório: o Enem Action. Com certeza, você vai ficar por dentro de ótimas dicas sobre como estudar a tabela periódica completa, de forma prática e eficiente!

graduação de Exatas
Você também pode gostar

Deixe um comentário