Normas ABNT: aprenda a formatar seus trabalhos com a ajuda deste post!

Normas da ABNT
10 minutos para ler

Se você é daquelas pessoas que se desesperam só de ouvir a expressão “normas da ABNT”, saiba que não é só você! O pesadelo com a padronização dos trabalhos atormenta principalmente os alunos que estão na reta final da graduação, preparando-se para o famoso TCC — o Trabalho de Conclusão de Curso.

Nesse tipo de produção, é obrigatório seguir o padrão estabelecido pela ABNT para que o conteúdo se mantenha organizado e bem-formatado. Isso vai agilizar a leitura e, consequentemente, facilitar a avaliação da tarefa.

Se você está na fase do TCC, não deixe de ler este post. Aqui, explicamos tudo sobre ABNT e listamos os erros mais comuns no processo. Confira!

Afinal, o que são as normas da ABNT?

A ABNT é a sigla referente à Associação Brasileira de Normas Técnicas. Trata-se de um órgão privado e sem fins lucrativos que tem como objetivo padronizar as técnicas de produção de todo tipo de trabalho acadêmico feito no país.

A importância do órgão se dá porque, ao padronizar as produções científicas e tecnológicas de estudantes e profissionais, fica mais fácil visualizar a estrutura do trabalho e compreendê-lo para a avaliação.

Sendo assim, além de organizar o processo de escrita, as normas adotadas pela ABNT ajudam a dar uma cara mais profissional para a tarefa. Essa credibilidade faz toda a diferença na hora que o professor for ler a produção e dar a nota final.

É claro que o conteúdo é o mais importante, mas de nada adianta ter um bom texto se a apresentação do trabalho e dos componentes estiver bagunçada. Portanto, tenha atenção às normas e capriche na uniformização do seu trabalho.

Por que essas normas foram criadas?

O que motivou a criação das normas da ABNT foram alguns desentendimentos entre o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) e o Instituto Nacional de Tecnologia (INT), dois laboratórios importantes, mas que divergiam no método de avaliação de pesquisas acadêmicas. O resultado dessa dinâmica foi a dificuldade de aprovação dos projetos que passavam por eles.

Como alguns trabalhos eram aprovados pelo IPT e pelo INT não (ou o contrário), não demorou muito para que uma movimentação começasse para que houvesse uma padronização das metodologias utilizadas para os trabalhos. E foi assim que surgiram as normas da ABNT.

A criação dos padrões exigidos pela ABNT influenciou até mesmo os outros países, a ponto de ser criada também a International Organization for Standardization (ISO), uma entidade internacional que cuida da padronização de trabalhos por todo o mundo.

Qual é a estrutura exigida pela ABNT?

Mas, então, como fazer trabalhos acadêmicos que se enquadrem na estrutura exigida pela ABNT? Existem diversos aspectos que devem ser observados para que as normas sejam seguidas, e isso tem um grande peso na nota final da obra — podendo até ser reprovada caso não siga os padrões recomendados pela universidade.

Para evitar problemas e se acostumar com as normas da ABNT, listamos algumas exigências da estrutura. A seguir, veja como caprichar no seu trabalho seguindo o padrão indicado!

Paginação e margens

A formatação geral da página de um trabalho acadêmico atende às seguintes normas:

  • tamanho do papel: A4 (21,0 cm x 29,7 cm);
  • margem superior: 3,0 cm;
  • margem direita: 2,0 cm;
  • margem inferior: 2,0 cm;
  • margem esquerda: 3,0 cm.

Quanto à numeração das páginas, ela deverá aparecer a partir dos elementos textuais. Isto é, capa e folhas de apresentação não são enumeradas, embora contem na paginação. A regra é enumerar a partir da página da introdução até o final do trabalho.

Fontes, tamanhos e espaçamentos

As fontes padronizadas pelas normas ABNT são a Arial ou a Times New Roman — no entanto, algumas instituições de ensino exigem fontes específicas. A cor das letras deverá ser preta em todo o trabalho. O tamanho padrão para o texto corrido é de 12 pts. Citações longas, notas de rodapé, legendas e referências bibliográficas deverão ser escritas em tamanho 10 pts.

O espaçamento entre linhas é de 1,5 para o corpo do texto, pois isso facilita a leitura. Já para citações longas, notas de rodapé, legendas e referências bibliográficas o espaçamento padrão é 1,0 (simples). O recuo de parágrafo normalmente é de 2 cm, podendo variar de instituição para instituição, enquanto o alinhamento é sempre justificado.

Citações longas e curtas

Até quem ainda não está se aventurando no TCC já ouviu falar dessa regra que diferencia citações longas e curtas. São consideradas citações longas aquelas com mais de três linhas. Elas deverão vir recuadas 4 cm da margem esquerda do documento, além de serem escritas em tamanho 10 e espaçamento simples.

Ao contrário das citações curtas, as longas não vêm entre aspas, considerando-se que o indicativo de autoria estará logo em seguida após o final do trecho. As citações curtas, de até três linhas, compõem o texto corrido, com configuração normal de parágrafo e aspas delimitando o início e fim do trecho.

Vestibular-online

Atenção: qualquer que seja o tipo de citação, ela deverá ter sua respectiva autoria devidamente indicada, tanto no corpo do texto quanto nas referências bibliográficas no final do trabalho. Caso contrário, o aluno corre o sério risco de ser acusado de plágio.

Figuras, gráficos e tabelas

Geralmente, a legenda desses elementos visuais vem na parte superior dos mesmos, precedida pela respectiva numeração. No entanto, algumas instituições pedem que ela venha na parte inferior, junto da fonte de referência onde a figura, gráfico ou tabela foi obtida. Se o elemento em questão tiver sido produzido pelo próprio autor do trabalho, basta citar a própria autoria.

Quais são os erros mais comuns ao se formatar um trabalho na ABNT?

Além de saber como deve ser a formatação de um trabalho seguindo as normas da ABNT, é importante ter ideia do que não fazer. Muitos erros são cometidos em produções acadêmicas, e isso pode trazer graves problemas para a vida estudantil do aluno.

Isso sem contar que esse padrão pode ser cobrado não apenas no TCC e nos trabalhos acadêmicos, como também em relatórios de iniciação científica e demais projetos em que o aluno pode se engajar durante o período universitário.

Desse modo, a seguir, veja o que evitar para fugir de uma vez por todas de dores de cabeça na realização de um trabalho formatado na ABNT!

Formatação fora dos padrões

Eis um erro clássico dos trabalhos de conclusão de curso: a formatação fora das normas ABNT. Se o trabalho vier todo desformatado, a banca avaliadora provavelmente vai entender que o aluno tratou a produção com certo desdém, o que prejudica muito a avaliação final.

Já se o documento vier com um errinho ou outro, os professores entenderão como algo natural, visto que o percurso do trabalho e de rotina de estudos é tão exaustivo que é normal ficar algum detalhe para trás. Via de regra, o melhor a se fazer é submeter o TCC a uma revisão criteriosa antes da entrega final. Assim, ele será avaliado com o menor número possível de erros.

Citações longas fora do padrão

Esse também é um erro muito comum nas produções acadêmicas, seja no TCC, seja em artigos científicos, dissertações de mestrado ou teses de doutorado. Até mesmo alunos veteranos costumam escorregar nessa regra, embora ela não tenha segredo: é só verificar o tamanho da citação e adequá-la às normas ABNT.

Como vimos, citações longas são aquelas de mais de três linhas, as quais deverão vir obrigatoriamente recuadas 4 cm do texto corrido. Não raro, os alunos deixam passar essa observação porque percebem que o trabalho está com muitas citações longas. Nesse caso, vale a pena rever o seu texto e retrabalhar o diálogo com os autores para não precisar citá-los de forma direta, recuada do texto.

Referências incompletas

Escreveu todo o trabalho e deixou as referências para anotar por último? Então são grandes as chances de você escorregar nessa regra. Isso acontece porque, a essa altura do campeonato, você já sente cansaço demais para ficar fazendo a referência dos autores conforme as normas ABNT.

Portanto, a dica de ouro é: escreva a referência completa de determinado autor assim que você acabar de citá-lo. Anote-as em outro documento e vá atualizando a lista conforme as suas leituras. Dessa forma, fica muito mais fácil reunir toda a bibliografia ao fim do trabalho, sem estresse ou dor de cabeça depois.

Uso da linguagem informal

Trabalhos acadêmicos envolvem uma linguagem mais rebuscada, de modo que termos informais não são bem-vistos e causam uma impressão de desleixo com a produção.

Dessa maneira, é imprescindível evitar gírias, contrações (como “pra” e “né”), regionalismos e demais termos informais, exceto quando eles estão sendo usados como objeto de estudo ou exemplos para o desenvolvimento do trabalho.

Plágio

Um dos maiores erros que você precisa evitar a todo custo, dentro e fora da vida acadêmica, é o plágio. Essa é uma prática ilegal, pois se trata do roubo de uma propriedade intelectual, e pode levar à detenção de até 1 ano.

O plágio pode surgir de diversas maneiras, como:

  • integral — uso das mesmas palavras de outro autor, sem citação;
  • parcial — apresenta apenas alguns trechos iguais ao de outra fonte original;
  • conceitual — utiliza as mesmas ideias e não apresenta nenhum caráter autoral;
  • conteúdo visual — dispõe de elementos gráficos não autorais no trabalho, sem dar o devido reconhecimento do autor.

Agora é bem mais fácil entender por que a citação é um elemento tão importante nos trabalhos acadêmicos, e o simples ato de citar a fonte original de onde você tirou a informação é capaz de evitar graves problemas.

Texto não justificado

Vale lembrar que em todos os trabalhos acadêmicos o alinhamento é justificado. Mas em um texto longo, é fácil deixar algum parágrafo sem o alinhamento correto, não é mesmo? Portanto, antes de entregar o trabalho, é sempre bom prestar atenção e verificar se todo o texto está justificado.

Viu só? As normas da ABNT não são tão assustadoras quanto parecem. Basta conhecer as regras e aplicá-las no decorrer do trabalho, sem deixar a formatação se acumular para a última semana. Assim, você não corre o risco de passar aperto com o prazo de entrega ou de ter seu trabalho mal avaliado por falta de padronização. Lembre-se: uma boa “embalagem” é sempre um aspecto a mais para valorizar a sua produção!

Gostou deste post? Então, com certeza você também vai curtir os conteúdos que postamos em nossas redes sociais. Siga os nossos perfis no Facebook, Instagram, YouTube e LinkedIn!

Você também pode gostar

Deixe um comentário