6 dicas de como ser inovador nos projetos da faculdade

como ser inovador
8 minutos para ler

A faculdade é um momento em que precisamos ter um olho no agora e outro no futuro profissional. A graduação nos prepara para uma carreira, e o melhor resultado é obtido quando antecipamos as exigências do mercado de trabalho e desenvolvemos competências. Falando nisso, você já parou para pensar em como ser inovador?

A palavra “inovação” ganhou espaço nas empresas porque nunca antes convivemos com tantas mudanças em prazos tão curtos. O produto que hoje atende ao consumidor, amanhã, provavelmente, precisará de ajustes. E isso vale para processos, serviços, tecnologias e tudo mais. A demanda por inovação é constante para dar conta das transformações.

Nesse cenário, a faculdade é o momento ideal para desenvolver essa competência. É quando podemos experimentar e testar, em um ambiente controlado, como um grande laboratório. Por isso, trouxemos 6 dicas para você dar os primeiros passos e ser inovador na graduação. Confira!

1. Utilize diversas ferramentas

Uma das dificuldades para ser mais criativo e inovador é a falta de um passo a passo para seguir e treinar essas competências. Por isso, como sugestão inicial, você pode pesquisar técnicas que contribuam especialmente para organizar informações e ideias, como Kanban, mapas mentais e processos criativos.

Design Thinking

Entre as opções, o Design Thinking pode ser bastante útil, pois permite organizar o trabalho do seu grupo. A metodologia tem o objetivo de desenvolver ideias do zero e tirá-las do papel, solucionando problemas.

Nas empresas, é bastante utilizado em projetos, criação ou melhoria de produtos e tomada de decisão. Também é possível aplicar em tarefas mais simples, como textos, empreendimentos na faculdade, projetos acadêmicos e resumos. Veja as etapas, usando um projeto em grupo como exemplo.

Imersão

Na imersão, o time deve bloquear a agenda, desligar os aparelhos celulares e reunir todo o material que conseguir sobre o tema. A ideia é centralizar os esforços para entender os assuntos a fundo, nutrindo o grupo com informações. Procure o máximo de referências e, sempre que possível, textos estrangeiros para ter diferenciais.

Ideação

Posteriormente, são levantadas ideias a partir da técnica de Brainstorming. Todos darão sugestões sobre o que pode ser feito para chegar ao melhor resultado do projeto bem como sua apresentação oral ou escrita.

Prototipação

Aquilo que for mais viável e tiver boas chances de sucesso será usado em um esboço do trabalho, como uma lista de tópicos, storyboards, fluxogramas, resumos, versões de produtos, conforme o caso.

Desenvolvimento

O protótipo, então, vai para teste. O ideal é apresentar o esboço para outros colegas, professores ou pessoas que possam opinar. A partir de então, você desenvolve o trabalho completo, sabendo o que funciona e o que não funciona. Também é possível usar o Design Thinking várias vezes para melhorar o projeto até a data de entrega.

2. Ouse imaginar

como ser inovador

Entender como ser inovador se torna difícil se ficarmos presos à ideia de inovação tecnológica. É claro que um fone sem fio é inovador, mas também pode ser o design da caixa, o processo de fabricação, a técnica para organizar os componentes internos e a maneira de negociar com os fornecedores dos componentes, por exemplo.

Na faculdade, vale ressaltar, você terá diversos momentos para exercitar a inovação. Trabalhos acadêmicos, estágios, atividades complementares, extensão universitária, aproveite todas as oportunidades, encontrando formas novas e mais eficientes de realizar as tarefas.

O já citado Brainstorming pode ajudar bastante. Se você não está familiarizado, a técnica consiste em colocar no papel todas as ideias — até as mais improváveis. O exercício estimula a criatividade, sendo bastante utilizado em empresas.

3. Capriche na comunicação

como ser inovador

Caso você tenha, de fato, encontrado uma nova proposta, o passo seguinte é lidar com uma questão fundamental na inovação: como comunicar a mudança para que ela seja entendida e bem recebida pelos demais?

Uma dica é sempre descrever a proposta de valor. Trata-se de listar brevemente quais problemas sua ideia resolve, ou ainda os benefícios que ela traz. Depois, pense em como se chega ao resultado previsto.

Guia de carreiras: Engenharias.

Você também pode utilizar o Canvas para descrever o projeto de forma mais realista. A metodologia apresenta 9 categorias que ajudam a esclarecer a proposta de valor e os elementos que estão no seu entorno, recursos necessários, destinatários da solução, parceiros-chave, custos, fontes de receita etc.

Por fim, uma boa apresentação visual faz toda a diferença. Prefira gráficos, quadros e ilustrações. Além disso, diferencie os gêneros. Por exemplo, enquanto a apresentação oral deve focar os elementos centrais e tópicos-chave, o conteúdo escrito será detalhado e mais aprofundado sobre o assunto.

4. Engaje o grupo

como ser inovador

Um grupo de trabalho com o propósito comum facilita o processo. Não à toa, o projeto acadêmico é um bom momento para exercitar a habilidade de liderança, tentando colocar todos em sintonia com o objetivo de produzir algo diferente.

Você pode gerar o engajamento, explicando a importância que a inovação terá no futuro profissional, apresentando um projeto que estimule os demais ou, até mesmo, utilizando o processo criativo. Nesse último, ainda que não seja a prioridade do grupo, a tendência é que nasçam boas sugestões pelo simples fato de aplicar a técnica.

Alternativamente, busque pessoas que tenham o interesse pela inovação — e em saber como ser inovador. Os grupos tendem à convergência de comportamento, ou seja, que as opiniões individuais sejam cada vez mais próximas das opiniões coletivas. Com efeito, o perfil da maioria contagia os demais.

5. Faça testes

como ser inovador

Outra exigência comum nas empresas e que já pode ser aprimorada é a validação das ideias — o que normalmente acontece com o feedback positivo do público-alvo da solução. Ademais, retornos negativos ajudam a promover ajustes e melhorar a eficiência da solução.

O caminho exato dependerá do tipo de trabalho ou atividade, uma vez que as áreas do Ensino Superior são bastante diversificadas. Você pode, por exemplo, simular o funcionamento de um processo ou serviço, criar uma versão simplificada de um produto, elaborar um portfólio para apresentar para as pessoas, entre outras soluções.

Lembre-se também de sempre documentar e divulgar os resultados dos testes. É muito comum que, em trabalhos, esse tipo de informação conste nos anexos, como comprovação da validade da ideia.

6. Use a tecnologia

A tecnologia pode contribuir bastante. A começar, as ferramentas citadas ao longo do texto, como Canvas, Design Thinking, mapas mentais e Brainstorming, contam com aplicativos próprios, que permitem gerar relatórios automáticos a partir do preenchimento das informações.

As apresentações são outro ponto a ser revolucionado com a tecnologia. Slides, aplicativos de design, bancos de imagens, photoshop e modelagem 3D são exemplos do que pode ser usado para incrementar a mensagem levada ao público-alvo.

Softwares de gestão de tarefas também facilitam bastante a nossa vida. Com apps gratuitos, como Trello, Evernote, Asana e Google Keep, podemos ter a noção de continuidade nos projetos. Isto é, saber em que ponto parou e qual é o próximo passo, o que otimiza o tempo e permite focar as ações necessárias em cada momento.

Existem, ainda, áreas em que a tecnologia pode ajudar a testar a ideia. Na Engenharia Civil, por exemplo, é muito comum que o teste ocorra com a simulação em um software de modelagem 3D. Já na Ciência da Computação, pode ser o feedback dos usuários de uma versão do software ou hardware desenvolvido.

Por fim, lembre-se de que o mais importante é explorar os recursos e ver com quais o grupo melhor se adapta. Tanto as ferramentas de gestão e organização como a tecnologia serão úteis, à medida que a equipe consiga integrá-las às atividades.

como ser inovador

Sendo assim, agora você já sabe como ser inovador nos projetos da faculdade. Coloque as dicas em prática, começando por aquelas que tenham mais significado para você e para o grupo de trabalho, e não deixe de experimentar cada uma delas.

Se o conteúdo ajudou, compartilhe nas suas redes sociais para que os seus colegas também leiam e fiquem mais engajados nos próximos projetos!

Você também pode gostar

Deixe um comentário