Tudo que você precisa saber sobre o curso de Educação Física

Educação física
18 minutos para ler

Você é uma pessoa que ama fazer atividades físicas e é louca por esportes, mas ainda não sabe o que fazer depois do Ensino Médio? Durante a escolha da graduação é importante levar em conta as suas preferências e afinidades. Sendo assim, por que não considerar o curso de Educação Física?

Essa é uma graduação muito interessante, que une a área da Saúde com a das Biológicas, oferecendo assim diversas possibilidades de atuação para o profissional formado. Além disso, é um curso bem estimulante, ideal para quem não suporta rotinas monótonas e gostaria de seguir profissões alternativas.

Esse curso despertou o seu interesse? Então, continue lendo este post e descubra tudo o que você precisa saber sobre a graduação em Educação Física!

O que faz um profissional de Educação Física?

O profissional de Educação Física é responsável pela instrução e orientação de atividades que colocam o corpo em movimento, como treinamentos físicos, esportes, reabilitação e demais exercícios.

O Brasil enfrenta um cenário complicado de sedentarismo. Segundo os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mais de 40% dos brasileiros adultos não praticam o mínimo de atividade física sugerido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) — 150 minutos semanais de exercícios de intensidade moderada, considerando as atividades cotidianas, como trabalho, lazer e tarefas domésticas.

O sedentarismo, por sua vez, é fator de risco para diversas doenças crônicas que prejudicam o bem-estar e a saúde das pessoas. Dentre elas, podemos citar:

  • obesidade;
  • diabetes;
  • colesterol alto;
  • hipertensão;
  • osteoporose;
  • doenças cardiovasculares;
  • infarto;
  • AVC.

Sendo assim, uma das principais funções do profissional de Educação Física é a promoção do bem-estar e a prevenção de doenças por meio do incentivo à prática regular de atividades físicas. Ele vai ajudar a fazer os exercícios e a praticar esportes de maneira segura, adequada e dentro dos limites de cada pessoa.

Para se tornar um profissional nessa área, é preciso fazer o curso de nível superior em Educação Física em uma instituição de ensino credenciada pelo Ministério da Educação (MEC). Além disso, após a formação, é necessário conseguir o registro no Conselho Regional de Educação Física (CREF) do estado.

Quais são as áreas de atuação para esse profissional?

Como visto, o trabalho do profissional de Educação Física é muito relevante para a sociedade atual. Mas onde ele pode exercer a profissão? A seguir, veja alguns exemplos!

Atuar em academias

Um dos principais espaços em que você encontra profissionais dessa área são as academias. Esses ambientes são destinados exclusivamente para a prática de atividades físicas, e ter uma pessoa com conhecimento específico para orientar os alunos é essencial.

Quem faz bacharelado em Educação Física tem a possibilidade de trabalhar nas academias, ajudando as pessoas a fazer o uso correto dos equipamentos, indicando os exercícios adequados, regulando o peso e a tensão dos aparelhos para as necessidades de cada aluno, entre outras funções.

Ser professor em escolas

Além do bacharelado, existe a opção de fazer licenciatura em Educação Física. Esse tipo de graduação é indicado para quem tem interesse em se tornar professor de escolas de Ensino Fundamental e Ensino Médio.

Essa é uma das disciplinas obrigatórias do ensino básico e ajuda os alunos a desenvolverem diversas competências importantes para a vida. Desde o trabalho em equipe até a melhoria da coordenação motora, a Educação Física escolar tem papel fundamental na formação infantojuvenil.

Ser personal trainer

Diferentemente do educador físico nas academias, o personal trainer tem o seu trabalho focado na orientação de apenas um aluno por vez. Muitas pessoas optam por esse serviço para manter a regularidade da prática de atividades físicas, receber a orientação adequada para fazer exercícios que ajudam a alcançar os resultados esperados mais rapidamente e se sentirem mais seguras em relação ao risco de lesões.

Essa é uma oportunidade para o profissional de Educação Física trabalhar de forma autônoma e empreender. No entanto, o personal trainer também pode ser contratado por uma academia para prestar uma atenção exclusiva a determinados alunos.

Trabalhar com pesquisas

Você sabia que um educador físico também pode seguir carreira acadêmica? Se você tem interesse em fazer pesquisas científicas para descobrir mais sobre o corpo humano, novas técnicas para a área, entre outras linhas de estudo, saiba que isso é possível.

Para isso, o aluno precisa continuar os estudos por meio da pós-graduação de tipo stricto sensu, que inclui o mestrado e o doutorado. No entanto, você pode se inserir nesse meio ainda na graduação, a partir de projetos de iniciação científica e de extensão universitária.

Atuar com reabilitação

A reabilitação física é outra área de atuação. Uma das opções é trabalhar em conjunto com fisioterapeutas para ajudar na recuperação de movimentos de pessoas que passaram por acidentes, internações de longo período ou doenças que comprometeram a saúde motora.

Nesse caso, os profissionais da Fisioterapia ajudam na restauração do domínio da motricidade, enquanto o educador físico contribui no fortalecimento da musculatura e na melhora do condicionamento.

Outra forma de atuar com reabilitação é ajudando pacientes que estão se recuperando de doenças cardíacas. Como visto, fazer atividades físicas regularmente contribui para a prevenção de problemas cardiovasculares. Pessoas que estão nos estágios iniciais de patologias no coração podem se beneficiar dos exercícios físicos para evitar o avanço das complicações, e o educador físico é o profissional ideal para dosar a intensidade dessas práticas.

Colaborar com recreação

Atividades recreativas para públicos de todas as idades também podem ser feitas por profissionais da Educação Física. Durante a graduação, o aluno aprende sobre as questões sociais, psicológicas e biológicas envolvidas com a prática de exercícios físicos. Desse modo, adquire conhecimentos relevantes para promover entretenimento e saúde ao mesmo tempo.

Como é o curso de Educação Física?

Gostou de saber quais são as principais áreas de atuação do educador físico? Então, você provavelmente vai curtir saber mais sobre como é o processo de aprendizagem dessas técnicas e do conhecimento teórico.

Para começar, é preciso ressaltar que você pode fazer licenciatura ou bacharelado em Educação Física — ou, até mesmo, os dois. Quem opta pela primeira opção pode ministrar aulas, enquanto o bacharel pode trabalhar em diversas outras áreas, mas não como professor. Para escolher o ideal, é importante considerar o que você espera da carreira e com o que gostaria de trabalhar.

Abaixo, descubra mais detalhes sobre o que você pode esperar do curso superior de Educação Física!

Grade curricular

Seja na licenciatura, seja no bacharelado, o curso superior de Educação Física vai abordar diversos conceitos que ajudam no melhor conhecimento do corpo humano e da sua capacidade motora. Desse modo, estuda também os principais componentes do organismo que estão envolvidos na motricidade e sustentação, como músculos, articulações e ossos.

O que vai diferir entre esses dois tipos de graduação é o foco de algumas aulas. Enquanto a licenciatura vai ter mais disciplinas relacionadas à didática, processos pedagógicos e métodos de avaliações, o bacharelado vai focar o atendimento direto com as pessoas.

O curso de Educação Física não tem apenas aulas práticas. Durante a faculdade, também são vistos muitos conteúdos teóricos fundamentais para compreender o funcionamento do corpo humano. Entre as disciplinas mais comuns da graduação em Educação Física, estão:

  • Anatomia Humana;
  • Bioquímica;
  • Fisiologia Humana;
  • Biomecânica;
  • Nutrição;
  • Fisiologia do Exercício;
  • Controle Motor;
  • Atletismo;
  • Natação;
  • Futebol e Futsal;
  • Voleibol, Basquetebol e Handebol;
  • Lutas e Artes Marciais;
  • Psicologia;
  • Sociologia;
  • Filosofia.

Duração

O tempo do curso também varia de acordo com a sua escolha. A licenciatura tem uma duração menor, de 3 anos, enquanto o bacharelado leva 4 anos para ser concluído.

Desse modo, o aluno passa por, pelo menos, 6 períodos semestrais durante a graduação, nos quais serão estudadas disciplinas como as citadas anteriormente, além de outros conteúdos relacionados ao tipo de curso escolhido e às matérias optativas e eletivas.

Durante o período de graduação, o aluno também pode se envolver com atividades complementares obrigatórias para completar a grade curricular, assim como escolher participar de outros projetos para adquirir conhecimentos relevantes aos objetivos de carreira e para ter mais um diferencial no currículo.

Estágio

Vale ressaltar também que o curso não se resume às aulas práticas e teóricas. Para completar a carga horária exigida para que o aluno tenha acesso ao diploma, é necessário fazer uma quantidade de horas de estágio obrigatório definida pela instituição de ensino. Isso é necessário tanto para a modalidade presencial quanto para o ensino digital.

De acordo com o Conselho Federal de Educação Física, o estágio curricular obrigatório deve acontecer a partir da segunda metade do curso, contabilizando 400 horas para os cursos de licenciatura. Já no caso do bacharelado, a duração de atividades complementares, incluindo o estágio, não pode ultrapassar 20% da carga horária total do curso.

O estágio curricular supervisionado não tem obrigatoriedade de ser remunerado. Contudo, ele oferece diversos benefícios para os alunos, como a oportunidade de desenvolver competências profissionais, compreender a rotina do educador físico e encontrar uma área de atuação.

Mas, e se o aluno precisar de uma ajuda financeira para arcar com os custos dos estudos e se sustentar? Ele pode procurar um estágio remunerado, tendo também a oportunidade de adquirir experiência profissional. No entanto, isso não dispensa a necessidade de fazer o estágio obrigatório também.

Mercado de trabalho

Devido às diversas possibilidades de atuação do educador físico, o mercado de trabalho para essa área é bem amplo e oferece uma boa empregabilidade. Porém, as oportunidades são maiores nas regiões próximas aos centros urbanos.

A média salarial para um educador físico, no Brasil, é de R$ 2.490,00. Esse valor varia de acordo com a região, nível de experiência, formação, nicho de atuação e desenvolvimento de carreira.

Contudo, ainda assim é importante saber como se destacar. Uma maneira excelente é investindo nos estudos. Desse modo, você pode adquirir tanto conhecimentos quanto habilidades que serão usados como um diferencial.

Outras estratégias para se destacar no mercado de trabalho são a construção de um currículo atraente — atividades de extensão universitária e experiências profissionais ajudam muito aqui —, fazer uma pós-graduação e demonstrar proatividade para aprender.

Perfil do estudante

Ainda está em dúvida se o curso de Educação Física combina com você? Então, vamos falar um pouco mais sobre o perfil do estudante dessa graduação. Uma das primeiras características importantes é a vontade de estudar. Como visto, existem diversas disciplinas que apresentam uma certa complexidade, devido à grande quantidade de temas abordados.

Logo, para entender como a saúde pode ser promovida por meio da prática de atividades físicas, é importante ter a disposição para se dedicar aos estudos, tanto nas aulas teóricas quanto nas práticas.

Outro traço relevante do aluno de Educação Física é a afinidade por esportes e atividades físicas. Isso não significa que você precisa ser o número 1 do time para fazer o curso. Contudo, é importante gostar do tema para se sentir à vontade com as aulas práticas.

É fundamental também se preocupar com a saúde e o bem-estar próprios e das outras pessoas. Afinal, o foco da profissão é justamente cuidar para que uma maior parte da população tenha acesso a mais qualidade de vida por meio da prática regular de exercícios físicos.

Saber trabalhar em equipe também vai ajudar muito no curso. Raramente você vai seguir em uma profissão sem a ajuda de ninguém. Portanto, se acostumar a trabalhar em equipe desde a graduação, com a realização de grupos de estudos, atividades em grupo e formação de times, vai trazer muitas facilidades no futuro.

Quais são as diferenças entre o curso flex e o presencial?

A faculdade flex veio para trazer mais praticidade, inovação e conforto para o dia a dia dos alunos, além de ajudá-los com os estudos. Ela se difere tanto do ensino digital quanto do presencial, mas tem características em comum com ambos.

Basicamente, um curso flex é aquele cujas aulas teóricas são realizadas a distância, mas as práticas são feitas no campus da instituição de ensino de forma presencial. Ou seja, é a união das duas outras modalidades.

A diferença dessa inovação para o curso presencial é que o último é realizado integralmente em espaços físicos da instituição de ensino. Já a flex tem apenas cerca de 30% de aulas presenciais, e no restante da graduação o aluno tem a flexibilidade para montar os próprios horários e estudar de onde estiver, por meio do ensino digital.

O que é preciso para ser um bom profissional de Educação Física?

Gostou de conhecer mais sobre a grade curricular do curso, as modalidades de ensino em que ele é oferecido, as áreas de atuação e o perfil do estudante de Educação Física? Então, o que mais falta saber?

Para se tornar um bom profissional, independentemente da área de atuação, é fundamental se esforçar para trabalhar habilidades importantes para se destacar no mercado e fazer um trabalho excelente. Essas competências podem ser desenvolvidas desde o início da graduação — ou até mesmo antes, durante a preparação para o vestibular.

Desse modo, vale a pena também conferir o que é necessário para que o educador físico se torne um bom profissional. Vamos lá?

Agir com ética

A ética é um dos principais atributos necessários para se tornar um bom profissional da Educação Física. Ela diz respeito à capacidade de adotar comportamentos adequados ao ambiente de trabalho, seguindo as normas preestabelecidas.

Na prática, ser um profissional ético significa buscar ser o mais competente possível, respeitando os clientes e alunos, demonstrando traços de honestidade e compromisso. Apresentar esses valores faz com que um educador físico seja muito mais valorizado no meio em que trabalha.

Ter criatividade

Tendo em vista que uma das principais funções do profissional da Educação Física é passar exercícios adequados para as condições físicas de cada pessoa, ter criatividade também se torna indispensável.

É sempre relevante lembrar que muitas pessoas no Brasil vivem em estado de sedentarismo ou praticam poucas atividades físicas no dia a dia. Dessa maneira, não é todo tipo de exercício que vai cativá-las.

Levar isso em conta e criar treinos direcionados para a preferência de cada cliente, assim como planejar aulas que despertam o interesse dos alunos, são apenas alguns exemplos de como ser um profissional criativo nessa área.

Além disso, a inovação é uma característica que atrai um grande público e traz mais valor ao trabalho do profissional. Sendo assim, quanto mais criativas forem as ideias do educador físico, maiores as chances de ele ter ainda mais sucesso na carreira.

Praticar exercícios

Não tem como estimular a prática de exercícios sem fazê-los também, ao mesmo tempo que é impossível cuidar do bem-estar de outras pessoas sem que o seu também esteja recebendo atenção. Dessa forma, ser um indivíduo fisicamente ativo também é importante para se tornar um profissional de sucesso e cuidar da própria saúde.

Vale lembrar que o exemplo também é um dos principais motivadores das pessoas. Se os alunos virem um profissional de Educação Física que se dedica à prática dos exercícios que indica, naturalmente a confiança no trabalho dele se reforça. Isso vale para todos os espaços em que um educador físico pode atuar, seja nas escolas, seja nas academias ou clubes.

Geralmente, as pessoas buscam o curso de Educação Física justamente por terem afinidade com o tema. O importante é que esse interesse não se perca após a formação ou conforme o tempo passa. Além do mais, a prática ativa e regular de exercícios é outra maneira de se manter por dentro das novidades da área e se atualizar.

Estudar

Quer saber outra maneira de continuar se atualizando? Os estudos. Não importa se você ainda não começou o curso superior, se está no meio da graduação ou se já se formou. Ainda é fundamental continuar aprendendo mais sobre a área.

Além disso, o investimento na educação é praticamente um dos requisitos mais importantes para todas as profissões, e não seria diferente com a Educação Física. Já percebeu que, por mais que você conheça um assunto, sempre é possível descobrir uma coisa nova sobre ele?

Ao seguir uma carreira acontece a mesma coisa. Por mais que o profissional seja especialista no que faz, sempre é possível aprender algo a mais. Isso sem falar que, quando ele não investe nos estudos, é muito mais provável que fique para trás dos concorrentes.

Especializar-se

Isso nos leva a uma das maneiras mais eficazes de manter os estudos em dia: a especialização. O principal benefício de fazer uma pós-graduação ou de buscar mais cursos relacionados à área em que atua é o fato de que é possível saber cada vez mais sobre um tema.

Por exemplo, ao se especializar na modalidade em que trabalha, o profissional sabe mais sobre o assunto, destacando-se entre os outros educadores físicos, além de passar mais confiança a qualquer pessoa que procura os seus serviços.

Já do ponto de vista da carreira, a especialização ajuda a ter mais oportunidades de emprego, receber melhores salários, ter mais autoridade e confiança no próprio trabalho, desenvolver resiliência profissional e se manter por dentro dos assuntos que estão em alta no nicho.

Ter boa comunicação

Por fim, mas não menos importante: a comunicação. Essa é outra característica essencial para praticamente todas as profissões. Contudo, quando um educador físico sabe se expressar bem, ele é capaz de preservar a saúde física de muitas pessoas, evitando lesões, e pode conseguir mais oportunidades de trabalho.

Não entendeu a relação? É simples! Uma pessoa que tem boa comunicação é capaz de estruturar melhor os pensamentos e transformá-los em palavras, a ponto de passar a mensagem que gostaria. Na Educação Física, quando isso acontece, significa que o instrutor foi capaz de explicar com clareza como cada exercício deve ser feito.

Quando o aluno sabe o que precisa fazer, as chances de se machucar são bem menores. Além do mais, ele se sente mais confiante em relação ao treino quando tem uma boa relação com o educador físico. Esses são apenas alguns exemplos de como a comunicação é um dos pontos principais no atendimento.

Agora sim você já teve contato com informações importantes para saber se gostaria ou não de estudar Educação Física. Vale a pena também ressaltar a importância de contar com o apoio de uma instituição de ensino de qualidade para ter uma boa formação.

Aposte na Estácio para se desenvolver profissionalmente. Descubra como funciona o nosso vestibular digital e saiba como estudar conosco!

CARREIRAS DA SAÚDE
Você também pode gostar

Deixe um comentário